Avançar para o conteúdo principal

Dia Mundial Do Livro 23 de abril





O Dia Internacional do Livro teve a sua origem na Catalunha, uma região da Espanha.

A data começou a ser celebrada em 7 de outubro de 1926, em comemoração ao nascimento de Miguel de Cervantes, escritor espanhol. O escritor e editor valenciano, estabelecido em Barcelona, Vicent Clavel Andrés, propôs este dia para a Câmara Oficial do Livro de Barcelona.

Em 6 de fevereiro de 1926, o governo espanhol, presidido por Miguel Primo de Rivera, aceitou a data e o rei Alfonso XIII assinou o decreto real que instituiu a Festa do Livro Espanhol.

No ano de 1930, a data comemorativa foi trasladada para 23 de abril, dia do falecimento de Cervantes.

Mais tarde, em 1996, a UNESCO instituiu 23 de abril como o Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor, em virtude de a 23 de abril se assinalar o falecimento de outros escritores, como Josep Pla, escritor catalão, e William Shakespeare, dramaturgo inglês.

No caso do escritor inglês, tal data não é precisa, pois que em Inglaterra, naquele tempo, ainda se utilizava o calendário juliano, pelo que havia uma diferença de 10 dias para o calendário gregoriano usado em Espanha. Assim, Shakespeare faleceu efetivamente 10 dias depois de Cervantes.

Os professores bibliotecários do concelho de Almeirim comemoraram este dia apresentando um recital na BIBLIOTECA MUNICIPAL DE ALMEIRIM.


Cristiano Lima

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Feliz Aniversário,Tim Tim!

Na passada sexta-feira a nossa mascote, Tim Tim, fez 85 anos! O seu criador, Hergé, criou-o a 10 de janeiro de 1929. Apareceu pela primeira vez num suplemento juvenil (Le Petit Vingtième) para o jornal de Bruxelas Le Vingtième Siècle. A data calhou numa quinta-feira, o dia da semana em que o suplemento foi publicado. Naquela época, as crianças tinham as quintas-feiras de folga da escola, compensando o facto de terem aulas aos sábados.


André Manso 6º E







Um Simples Ponto e uma Linha

E tudo pode começar com um simples ponto ou uma linha…
Quantas vezes pensamos que não somos capazes de realizar uma tarefa, porque achamos que esta parece muito difícil (superior às nossas capacidades)?
Quantas vezes olhamos para algo e chegamos à conclusão que os nossos olhos não vêem o mesmo que os de outra pessoa?
Pois bem, com esta história/actividade pretendíamos precisamente desbloquear a capacidade e a criatividade de cada criança, para que fossem livres de ver ou pintar dentro de um espaço “branco de liberdade”.
Esta missão tornou-se muito facilitada, pois os meninos desta turma, pela janela dos seus olhos, observam o mundo, e toda a arte nele contida, de uma forma muito pessoal e com uma imaginação que ultrapassou as nossas expectativas (de adulto já formatado, talvez…)
Por isso, quando lançámos o desafio, depois de ouvirem a história e de terem contactado com várias pinturas abstractas dos mais reconhecidos pintores, “vão pintar quadros onde só poderão usar pontos e linhas, mãos …
Divulgando...