Avançar para o conteúdo principal

Natal


                                                                                      BD - Pedro Oliveira - 5ºH

Inicialmente, a Igreja Católica não comemorava o Natal. Foi em meados do século IV d.C. que se começou a festejar o nascimento do Menino Jesus, tendo o Papa Júlio I fixado a data no dia 25 de dezembro, já que se desconhece a verdadeira data do Seu nascimento.

Sob influência franciscana, espalhou-se, a partir de 1233, o costume de, em toda a cristandade, se construírem presépios, já que estes reconstituíam a cena do nascimento de Jesus. A árvore de Natal surge no século XVI, sendo enfeitada com luzes, símbolo de Cristo, Luz do Mundo. Uma outra tradição de Natal é a troca de presentes, que são dados pelo Pai Natal ou pelo Menino Jesus, dependendo da tradição de cada país.

Apesar de todas estas tradições serem importantes (o Natal já nem pareceria Natal se não as cumpríssemos), a verdade é que não nos podemos esquecer que o verdadeiro significado de Natal prende-se com o nascimento de Cristo. Assim, não se esqueçam que o Natal não se resume a bonitas decorações e a presentes, pois a sua essência é o festejo do nascimento de Jesus Cristo.
Texto - Adriana Zola - 6ºA

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Feliz Aniversário,Tim Tim!

Na passada sexta-feira a nossa mascote, Tim Tim, fez 85 anos! O seu criador, Hergé, criou-o a 10 de janeiro de 1929. Apareceu pela primeira vez num suplemento juvenil (Le Petit Vingtième) para o jornal de Bruxelas Le Vingtième Siècle. A data calhou numa quinta-feira, o dia da semana em que o suplemento foi publicado. Naquela época, as crianças tinham as quintas-feiras de folga da escola, compensando o facto de terem aulas aos sábados.


André Manso 6º E







Um Simples Ponto e uma Linha

E tudo pode começar com um simples ponto ou uma linha…
Quantas vezes pensamos que não somos capazes de realizar uma tarefa, porque achamos que esta parece muito difícil (superior às nossas capacidades)?
Quantas vezes olhamos para algo e chegamos à conclusão que os nossos olhos não vêem o mesmo que os de outra pessoa?
Pois bem, com esta história/actividade pretendíamos precisamente desbloquear a capacidade e a criatividade de cada criança, para que fossem livres de ver ou pintar dentro de um espaço “branco de liberdade”.
Esta missão tornou-se muito facilitada, pois os meninos desta turma, pela janela dos seus olhos, observam o mundo, e toda a arte nele contida, de uma forma muito pessoal e com uma imaginação que ultrapassou as nossas expectativas (de adulto já formatado, talvez…)
Por isso, quando lançámos o desafio, depois de ouvirem a história e de terem contactado com várias pinturas abstractas dos mais reconhecidos pintores, “vão pintar quadros onde só poderão usar pontos e linhas, mãos …

Exposição de capas de EVT

Na Escola EB 2/3 Febo Moniz decorreu uma exposição de capas para guardar os trabalhos realizados nas disciplinas de Educação Visual e Tecnológica.